Artigos

Contrato de Aprendizagem – O que é? Para quê serve?

É uma construção colaborativa entre o facilitador/professor e seus alunos, que clarifica e define papeis e também os limites. O Contrato de Aprendizagem parte do pressuposto de que o facilitador/professor está aberto a renunciar ao papel de transmissor do conhecimento para uma plateia de ouvintes passivos.

O aprendiz/aluno assume sua responsabilidade pelo seu processo de aprendizagem. É convidado a participar com suas ideias, dúvidas e experiências, que servirão de base para a construção do seu aprendizado.

Todas as relações precisam ser contratadas, e as relações de ensino e aprendizagem se beneficiam muito dessa ferramenta. Faz jus a expressão: “O que é combinado, não sai caro”. O contrato antecipa a solução de problemas antes que surjam. É uma vacina contra conflitos.

O Contrato das relações é objeto de estudo da Análise Transacional, Teoria dos Grupos e Andragogia e vários autores embasam o tema: Eric Berne, David Kolb, Will Schutz, Malcom Knowles, Fanita English, Claude Steiner.

De acordo com Claude Steiner, todo contrato, para ser válido precisa ter presente os seguintes elementos:

  • Consentimento Mútuo
  • Compensação Válida
  • Competência
  • Objeto Legal

A presença desses elementos evita a “Salvação”, e a “Vitimização”. Dois fenômenos muito comuns nas relações de equipe, por exemplo – alguém parece que vai “salvar” a equipe de todos os males e outros parecem ser as “eternas vítimas” de tudo. Se há o contrato da relação, esse fenômeno perde sua força e todos têm responsabilidade.

3 ETAPAS PARA O CONTRATO DE APRENDIZAGEM

Inclusão

  • É uma etapa para as pessoas se sentirem parte do grupo e em geral não se fala do trabalho ainda, mas de como as pessoas estão naquele momento. Quem são elas, o que fazem. Suas preferências, gostos e interesse.
  • “Como estão chegando para essa reunião/trabalho/curso”? Espera-se que as pessoas possam falar do seu estado de ânimo para o evento e que se sintam bem-vindas!

Levantamento de Expectativas

  • É uma etapa para que as pessoas se expressem sobre o que esperam do programa/projeto/curso.
  • O que já sabem sobre o assunto? Que desafios tem enfrentado no seu dia a dia.
  • O que deseja estar apto para fazer depois do curso/projeto que ainda não faz?

Contratar a Relação

O grupo responde a sequência de perguntas:

  • “Que atitudes posso ter que vão atrapalhar o projeto/curso?”
  • “Que atitudes vou ter para neutralizar o que vier atrapalhar?”

Tudo deve ser escrito e assinado pelos participantes. O contrato pode ser revisto sempre que houver dúvidas ou necessidades de novos alinhamentos. Ao tomar consciência do seu poder de atrapalhar e de ajudar os alunos/participantes se tornam co-responsáveis pelos objetivos definidos.

Se você quiser aprender na prática como fazer o Contrato de Aprendizagem e tudo sobre Andragogia, assista nosso webnar nesse Sábado, 16 de janeiro às 10h e faça o curso com a gente.

Fontes e referências:

BERNE, E. O que você dia depois de dizer olá? Nobel. 1988, p. 280.

ENGLISH, F. O Contrato de Três Pontas. Transactional Analysis Journal, 1975, vol.5(4) 383-384

SILVEIRA, L. Contrato para intervenção organizacional em desenvolvimento de pessoas. Revista Brasileira de Análise Transacional -REBAT. São Paulo, 2011, ano XXI, n. 1, abr. 2011.

STEINER, C. Os Papéis que vivemos na Vida. Rio de Janeiro: Editora Artenova, 1976.

KRAUSZ, R. R. Trabalhabilidade. São Paulo: Editora Nobel, 1999

Deixe uma resposta