No ambiente empresarial dinâmico de hoje, a liderança eficaz é um fator fundamental para o sucesso de uma equipe ou organização. Por isso, desenvolver habilidades essenciais para a liderança não apenas fortalece o desempenho individual, mas também promove um ambiente de trabalho positivo e produtivo para a equipe. Continue a leitura para conferir 10 habilidades essenciais para líderes qualificados:

1. Comunicação

A capacidade de comunicar-se de forma clara e empática é essencial para a liderança eficaz. Manter a comunicação transparente e sensível ajuda a construir confiança e promover relacionamentos positivos dentro da equipe.

2. Inteligência emocional

Desenvolver inteligência emocional permite que pessoas em cargos de liderança entendam e gerenciem suas próprias emoções, bem como as emoções dos outros. Isso facilita a criação de um ambiente de trabalho colaborativo e respeitoso.

3. Capacidade de delegar

A habilidade de delegar tarefas de forma eficaz é fundamental para distribuir responsabilidades de maneira justa e eficiente dentro da equipe. Isso permite que cada um contribua com suas habilidades e experiências únicas.

4. Tomada de decisão assertiva

Líderes eficazes são capazes de tomar decisões assertivas, considerando cuidadosamente as informações disponíveis e agindo com confiança e determinação.

5. Adaptabilidade e flexibilidade

Em um ambiente de negócios em constante mudança, a capacidade de se adaptar e ser flexível é essencial para lidar com desafios imprevistos e aproveitar oportunidades.

6. Capacidade de resolução de problemas

Líderes eficazes sabem solucionar problemas, sendo capazes de identificar questões, analisar causas e implementar soluções eficazes de maneira colaborativa.

7. Empoderamento e desenvolvimento da equipe

Promover o empoderamento e o desenvolvimento da equipe é uma habilidade chave para os líderes. Isso envolve capacitar os membros da equipe a assumir responsabilidades e crescer profissionalmente.

8. Pensamento estratégico

Desenvolver um pensamento estratégico ajuda os líderes a tomar decisões informadas e planejar a longo prazo para alcançar metas organizacionais.

9. Serviço

A liderança que prioriza o serviço entende a importância de colocar as necessidades de outras pessoas em primeiro lugar. Por isso, líderes servidores estão comprometidos em apoiar e capacitar os membros da equipe para alcançarem seu pleno potencial.

10. Resiliência e gestão de estresse

Por fim, líderes precisam desenvolver resiliência e habilidades eficazes de gerenciamento do estresse para enfrentar os desafios do ambiente de trabalho com calma e determinação.

Desenvolvimento de lideranças e mentoria

Para saber mais informações sobre o assunto e conferir como podemos te ajudar, entre em contato conosco!

Em um mundo empresarial em constante evolução, onde os desafios surgem a cada esquina, a habilidade de liderar eficazmente não é apenas valorizada, mas essencial para o sucesso e a sustentabilidade das organizações. No entanto, desenvolver as habilidades e competências necessárias para liderar com maestria não acontece da noite para o dia. É aí que entra o treinamento em liderança.

A liderança molda culturas, impulsiona estratégias e inspira inovação. Neste guia, embarcaremos em uma jornada profunda pelo universo do treinamento para liderança eficaz. Abordaremos desde os benefícios comprovados até as melhores práticas para implementação, explorando as diversas modalidades de treinamento e as ferramentas essenciais para o sucesso. Ao longo do caminho, você encontrará dicas valiosas, exemplos práticos e insights que o ajudarão a desenvolver suas habilidades de liderança e alcançar resultados extraordinários.

O que é liderança?

Liderança é um conceito multifacetado e dinâmico, essencial no cenário corporativo contemporâneo. Esta habilidade transcende a simples gestão de tarefas e equipes; é a arte de criar uma visão inspiradora e motivar as pessoas a trabalharem juntas para transformar essa visão em realidade. Líderes eficazes são mais do que gestores; são inspiradores, inovadores e influenciadores. Eles possuem uma capacidade única de ver além do horizonte, antecipando mudanças, desafiando o status quo e abrindo novos caminhos.

Um líder eficaz é alguém que não apenas estabelece metas e diretrizes claras, mas também cultiva uma cultura de empatia, respeito e colaboração. Eles entendem a importância de se conectar em um nível mais profundo com sua equipe, reconhecendo e valorizando as habilidades e contribuições individuais. Isso não apenas aumenta a moral e o engajamento, mas também encoraja cada membro da equipe a se desenvolver e a contribuir ao máximo de seu potencial.

Além disso, a liderança eficaz envolve a habilidade de adaptar-se a diferentes situações e desafios. Em um mundo empresarial que está sempre mudando, a capacidade de se adaptar e permanecer flexível é crucial. Isso significa estar aberto a novas ideias, estar disposto a aprender e crescer e ser capaz de liderar pelo exemplo em tempos de incerteza.

Essencialmente, um líder é alguém que não apenas conduz a equipe em direção a objetivos comuns, mas também nutre um ambiente onde todos se sentem valorizados e capacitados para dar o seu melhor. A liderança eficaz é sobre construir relacionamentos, inspirar confiança e forjar um caminho coletivo para o sucesso compartilhado. É um equilíbrio entre alcançar resultados e cuidar do bem-estar e do desenvolvimento das pessoas que você lidera.

Como desenvolver liderança?

Como desenvolver liderança?

Desenvolver liderança é uma jornada contínua de crescimento pessoal e profissional, exigindo dedicação, reflexão e a aplicação consistente de novas habilidades e conhecimentos. Este processo é multifacetado, envolvendo várias estratégias e abordagens para cultivar as qualidades essenciais de um líder eficaz.

Autoconhecimento e Autoavaliação

O ponto de partida no desenvolvimento de liderança é o autoconhecimento. Líderes eficazes têm uma compreensão profunda de suas próprias forças, fraquezas, valores e motivações. Ferramentas como análise SWOT pessoal, avaliações de personalidade e feedback 360 graus podem fornecer insights valiosos e ajudar os líderes a compreenderem como suas ações e comportamentos afetam os outros.

Educação Contínua e Aprendizado Formal

Investir em educação contínua, seja por meio de cursos de liderança, workshops, seminários ou programas de MBA, é essencial para manter-se atualizado com as últimas tendências, teorias e práticas de liderança. O aprendizado formal oferece uma base sólida de conhecimento e a oportunidade de explorar novas perspectivas e estratégias.

Experiência Prática e Aprendizado On-the-Job

A liderança é uma habilidade que se aprimora com a prática. Encarar desafios reais, liderar projetos, assumir responsabilidades e se envolver em diferentes situações são oportunidades cruciais para desenvolver habilidades de liderança. A experiência prática permite que os líderes testem teorias e ideias em um contexto real e aprendam com os sucessos e fracassos.

Mentoria e Coaching

Ter um mentor ou coach pode acelerar significativamente o desenvolvimento de liderança. Esses profissionais podem oferecer orientação personalizada, aconselhamento e suporte, ajudando os líderes a navegar por desafios, refinar suas habilidades e alcançar seus objetivos de desenvolvimento pessoal e profissional.

Feedback Construtivo e Reflexão

Feedback regular, tanto formal quanto informal, é vital para o crescimento de um líder. Encorajar feedback de colegas, superiores e membros da equipe pode fornecer insights valiosos sobre o comportamento de liderança e áreas para melhoria. Além disso, a reflexão contínua sobre experiências, sucessos e fracassos é um componente chave do desenvolvimento de liderança, permitindo uma aprendizagem e adaptação contínuas.

Desenvolvimento de Habilidades Específicas

Programas de treinamento para liderança focam no desenvolvimento de habilidades específicas essenciais para o sucesso, como comunicação eficaz, tomada de decisões estratégicas, resolução de conflitos, gestão de equipes e liderança em tempos de mudança. Estes programas geralmente combinam ensino teórico com métodos práticos, como estudos de caso, simulações e projetos reais, para garantir uma compreensão profunda e uma aplicação eficaz das habilidades aprendidas.

Criação de uma Rede de Suporte

Construir e manter uma rede de contatos profissionais oferece aos líderes uma rica fonte de novas ideias, conselhos e suporte. Networking com outros líderes permite a troca de experiências, a discussão de desafios comuns e o compartilhamento de melhores práticas.

O desenvolvimento da liderança é um compromisso contínuo com o crescimento pessoal e profissional. Requer uma abordagem holística, combinando educação formal, experiência prática, feedback contínuo e suporte, e um forte compromisso com o autoaperfeiçoamento. Ao dedicar-se a este caminho, os líderes podem aprimorar suas habilidades, expandir sua influência e levar suas equipes e organizações a novos patamares de sucesso.

Qual o objetivo do desenvolvimento de liderança?

O desenvolvimento de liderança vai além do aperfeiçoamento de habilidades individuais; é uma estratégia integral que impulsiona o crescimento organizacional, a inovação e a adaptabilidade. O objetivo principal é cultivar um conjunto robusto de líderes que não apenas compreendam as nuances do ambiente corporativo moderno, mas que também estejam equipados para guiar suas equipes através dos complexos desafios e oportunidades que esse ambiente apresenta.

Promover a Adaptação às Mudanças

No ritmo acelerado do mundo empresarial atual, a capacidade de se adaptar rapidamente às mudanças é fundamental. O desenvolvimento de liderança visa preparar líderes para antecipar e responder eficazmente a mudanças no mercado, na tecnologia e nas expectativas dos clientes, assegurando que a organização não apenas sobreviva, mas prospere em meio à mudança.

Fomentar a Cultura de Inovação

Líderes bem desenvolvidos são impulsionadores da inovação. Eles encorajam o pensamento criativo, promovem a experimentação e estão dispostos a correr riscos calculados. O desenvolvimento de liderança incentiva a criação de uma cultura onde a inovação é não apenas aceita, mas esperada, garantindo que a organização permaneça competitiva e relevante.

Construir Equipes Coesas e Resilientes

Um líder eficaz é aquele que constrói equipes fortes, coesas e resilientes. O desenvolvimento de liderança foca na habilidade dos líderes de cultivar confiança, promover a colaboração e apoiar o bem-estar de seus membros de equipe. Equipes bem lideradas são mais engajadas, produtivas e capazes de superar desafios com sucesso.

Conduzir a Organização Rumo a Objetivos Estratégicos

Líderes não são apenas responsáveis por gerir operações do dia a dia; eles são de extrema relevância para a realização da visão e dos objetivos estratégicos da organização. O desenvolvimento de liderança prepara líderes para pensar estrategicamente, tomar decisões informadas e alinhar suas equipes com os objetivos mais amplos da organização.

Criar uma Pipeline de Liderança

Um dos objetivos mais significativos do desenvolvimento de liderança é garantir que a organização tenha uma reserva contínua de talentos de liderança. Isso envolve não apenas identificar e nutrir os líderes atuais, mas também reconhecer e desenvolver os líderes emergentes. Uma pipeline de liderança sólida assegura que a organização tenha a liderança necessária para enfrentar desafios futuros e aproveitar oportunidades.

Sustentar o Crescimento e o Sucesso a Longo Prazo

Finalmente, o desenvolvimento de liderança é fundamental para o crescimento sustentável e o sucesso a longo prazo. Líderes eficazes são capazes de conduzir o desempenho, motivar e reter talentos e manter a organização alinhada e focada em suas metas. Investir no desenvolvimento de liderança significa investir no futuro da organização.

Em suma, o desenvolvimento de liderança é uma iniciativa estratégica que beneficia não apenas os líderes individuais, mas toda a organização. Ao focar no cultivo de líderes adaptáveis, inovadores e estratégicos, as organizações podem se posicionar de forma proativa para enfrentar os desafios do ambiente empresarial moderno e pavimentar o caminho para um futuro de sucesso e crescimento contínuo.

Como fazer um plano de desenvolvimento de liderança?

Como fazer um plano de desenvolvimento de liderança?

Elaborar um plano de desenvolvimento de liderança robusto e eficaz é uma tarefa complexa, que exige uma abordagem estruturada e considerada. Cada etapa do processo é importante para garantir que os líderes não apenas adquiram as habilidades necessárias, mas também estejam preparados para aplicá-las efetivamente em seu ambiente de trabalho. Vamos aprofundar cada uma dessas etapas:

1. Avaliação de Necessidades

Antes de iniciar qualquer programa de treinamento, é essencial compreender as necessidades específicas da sua organização e dos seus líderes. Esta etapa envolve uma análise detalhada para identificar as competências de liderança que precisam ser fortalecidas ou desenvolvidas. Métodos como entrevistas, questionários, análises de desempenho e sessões de brainstorming com as partes interessadas podem fornecer insights valiosos. O objetivo é alinhar as necessidades de desenvolvimento com os objetivos estratégicos da organização, garantindo que o treinamento seja relevante e impactante.

2. Definição de Objetivos

Com base na avaliação das necessidades, defina objetivos claros e mensuráveis para o programa de treinamento. Esses objetivos devem ser específicos, alcançáveis, relevantes e temporalmente definidos (SMART). Por exemplo, em vez de um objetivo genérico como "melhorar as habilidades de liderança", estabeleça um objetivo mais específico como "desenvolver habilidades de comunicação assertiva em líderes de equipe até o final do trimestre". Isso ajuda a focar o treinamento e oferece um critério claro para medir o sucesso.

3. Seleção de Metodologias

Escolher a abordagem certa é vital para a eficácia do treinamento. Considere uma combinação de diferentes metodologias para abordar os variados estilos de aprendizagem e maximizar o engajamento. Isso pode incluir:

Desenvolva um currículo que aborde tanto a teoria quanto a prática, garantindo que os líderes possam traduzir o conhecimento em ação efetiva.

4. Implementação

A fase de implementação é onde o planejamento se transforma em ação. Organize os recursos necessários, incluindo instrutores, materiais e espaço ou plataformas online. Assegure que os líderes estejam engajados e motivados para aprender, estabelecendo uma cultura que valoriza e apoia o desenvolvimento contínuo. Durante a implementação, seja flexível e pronto para adaptar o programa conforme necessário, garantindo que ele permaneça relevante e eficaz.

5. Avaliação e Feedback

A última etapa, mas não menos importante, é a avaliação do programa de treinamento. Isso não só mede a eficácia do treinamento, mas também fornece insights para melhorias contínuas. Utilize métodos como pesquisas de feedback, avaliações de desempenho antes e depois do treinamento, e acompanhamento do progresso a longo prazo. O feedback dos participantes é inestimável para entender a eficácia do treinamento e identificar áreas para ajustes futuros.

Ao seguir essas etapas com cuidado e consideração, as organizações podem criar um plano de desenvolvimento de liderança que não apenas atenda às necessidades atuais, mas também prepare os líderes para os desafios e oportunidades futuras.

Qual a importância do desenvolvimento da liderança?

O desenvolvimento da liderança é uma pedra angular para o sucesso e a sustentabilidade de qualquer organização. Sua importância transcende a simples melhoria das habilidades individuais, afetando positivamente a cultura, a estratégia e as operações da organização como um todo. Vamos explorar em profundidade o impacto transformador do desenvolvimento de liderança:

Preparação para a Complexidade e Incerteza

No ambiente empresarial dinâmico de hoje, caracterizado por mudanças rápidas e incertezas, líderes capacitados são essenciais para navegar com sucesso. O desenvolvimento de liderança prepara líderes para entender e gerir a complexidade, tomar decisões informadas em meio à incerteza e guiar suas equipes através de turbulências com confiança e clareza.

Promoção de Inovação e Adaptação

Líderes bem desenvolvidos são catalisadores de inovação. Eles incentivam o pensamento criativo, abraçam novas ideias e promovem uma cultura de aprendizado e adaptação. Isso não apenas mantém a organização à frente da concorrência, mas também assegura que ela permaneça relevante e resiliente diante das mudanças do mercado.

Construção de uma Reserva de Líderes Talentosos

O desenvolvimento de liderança é fundamental para a criação de uma pipeline de talentos de liderança, garantindo que a organização tenha uma reserva contínua de líderes qualificados prontos para assumir papéis críticos. Isso assegura a continuidade da liderança e uma transição suave em momentos de mudança organizacional.

Melhoria do Moral e Engajamento da Equipe

Líderes eficazes têm um impacto direto no moral e no engajamento de suas equipes. Eles são proficientes em comunicar visão, reconhecer contribuições e cultivar um ambiente de trabalho positivo e inclusivo. Isso não apenas melhora a satisfação dos funcionários, mas também impulsiona a retenção de talentos e atrai novos talentos para a organização.

Impulsionamento do Desempenho Organizacional

Finalmente, líderes competentes e motivados são cruciais para o desempenho geral da organização. Eles são eficazes na definição e execução de estratégias, na otimização de recursos e na maximização da produtividade das equipes. O desenvolvimento de liderança, portanto, não é apenas um investimento nos indivíduos, mas um impulso direto para a eficiência, inovação e lucratividade da organização.

Quais os tipos de Liderança?

Quais os tipos de liderança?

Com relação aos tipos de liderança, cada estilo possui suas próprias características únicas e pode ser eficaz em diferentes contextos e situações:

Liderança Autocrática

Este estilo de liderança é caracterizado por tomada de decisão individual e controle rígido pelo líder. Pode ser eficaz em situações que exigem decisões rápidas e unilaterais, mas pode limitar a criatividade e a autonomia da equipe.

Liderança Democrática

Também conhecida como participativa, este estilo promove a contribuição de todos os membros da equipe nas decisões. Isso não só aumenta a satisfação e o engajamento dos funcionários, mas também pode levar a soluções mais inovadoras e bem pensadas.

Liderança Transformacional

Líderes transformacionais inspiram e motivam suas equipes a alcançarem objetivos maiores do que o interesse pessoal. Eles são caracterizados por sua visão, paixão e capacidade de incutir entusiasmo e dedicação em suas equipes.

Liderança Servidora

Este estilo se concentra em atender às necessidades da equipe antes das próprias. Líderes servidores são excelentes ouvintes, empáticos e comprometidos em promover o desenvolvimento pessoal e profissional de seus membros de equipe.

Liderança Situacional

Este estilo reconhece que não existe uma abordagem única para a liderança. Líderes situacionais adaptam seu estilo com base nas necessidades específicas da situação e dos membros da equipe, mostrando versatilidade e flexibilidade.

Compreender e aplicar eficazmente estes diferentes estilos de liderança pode enriquecer a habilidade de um líder de guiar eficientemente sua equipe em diversas circunstâncias, promovendo um ambiente de trabalho dinâmico, inclusivo e produtivo.

Por que investir em treinamento para liderança?

Investir em treinamento para liderança é uma decisão estratégica que permeia todas as facetas de uma organização, impulsionando seu crescimento, cultura e resultados. Ao desenvolver líderes eficientes, você está investindo no coração do seu negócio, pois líderes competentes são catalisadores essenciais para o engajamento e a produtividade das equipes. Vamos aprofundar nos benefícios essenciais dessa decisão:

Aumento da Produtividade e Eficiência

Líderes treinados possuem a habilidade de motivar suas equipes, estabelecer metas claras e criar estratégias eficientes para alcançá-las. Isso resulta em um aumento significativo da produtividade, pois equipes bem lideradas e engajadas são mais focadas, eficientes e menos propensas a erros. O efeito cascata de uma liderança eficaz eleva os padrões de desempenho em toda a organização, otimizando processos e impulsionando os resultados operacionais.

Melhoria na Retenção de Talentos

No ambiente de trabalho moderno, a capacidade de um líder de inspirar, apoiar e valorizar seus colaboradores é um fator determinante para a retenção de talentos. Líderes que reconhecem e incentivam o desenvolvimento profissional de suas equipes criam um ambiente de trabalho positivo e acolhedor. Isso não apenas reduz a rotatividade de funcionários, mas também economiza custos significativos relacionados ao recrutamento e treinamento de novos talentos, além de preservar o capital intelectual e a experiência dentro da empresa.

Aprimoramento da Tomada de Decisões

O treinamento para liderança aprimora a capacidade de tomada de decisões estratégicas e assertivas. Líderes bem preparados são equipados com habilidades analíticas, visão estratégica e uma compreensão profunda dos objetivos da empresa, o que lhes permite guiar suas equipes eficazmente e tomar decisões informadas que alinham a execução da equipe com os objetivos mais amplos da organização.

Aumento da Lucratividade

A soma de uma produtividade elevada, retenção de talentos e tomada de decisões assertiva resulta em uma lucratividade aprimorada para a empresa. Líderes eficientes são capazes de maximizar os recursos, otimizar o desempenho da equipe e direcionar a organização em um caminho de crescimento contínuo. Consequentemente, a empresa desfruta de um ambiente de trabalho mais saudável, produtivo e lucrativo, estabelecendo uma base sólida para o sucesso sustentável.

Investir no desenvolvimento da liderança, portanto, é uma estratégia que fortalece não apenas a gestão, mas também a cultura, a eficiência operacional e a competitividade no mercado. É um investimento que se reverte em resultados tangíveis, impulsionando a organização para um ciclo de crescimento e sucesso contínuos.

Desenvolva liderança eficaz: estratégias e dicas para líderes visionários

Em conclusão, o caminho para uma liderança eficaz é contínuo e complexa, exigindo dedicação, introspecção e um compromisso firme com o crescimento pessoal e profissional.

Na SK Aprendizagem, reconhecemos a singularidade de cada jornada de liderança e nos dedicamos a apoiar líderes em cada etapa do seu desenvolvimento. Aprimore sua aprendizagem conosco! Convidamos você a descobrir seu Estilo de Aprendizagem com nosso teste personalizado e a embarcar em uma jornada de transformação que o capacitará a alcançar o máximo desempenho e a liderar com visão, inovação e impacto. Junte-se a nós na SK Aprendizagem e dê o próximo passo em direção a se tornar o líder que você está destinado a ser.

Pronto para transformar sua liderança? Comece agora com a SK Aprendizagem e desbloqueie seu potencial de liderança com nosso teste personalizado. Torne-se o líder visionário que sua equipe precisa! Entre em contato agora mesmo.

Carmem Sant’Anna & Fabrizia Rossetti

A busca por profissionais qualificados caracteriza o momento do universo corporativo desde sempre. As pessoas representam o diferencial para o sucesso das empresas, e essa percepção influencia a demanda por formação executiva de alto nível.

Nós da SK Aprendizagem preparamos pessoas para ajudá-las a traduzir aquilo que aprendem em resultados. Nossas ações se concretizam através da inovação, geração, estimulação e disseminação de conhecimento em gestão.

O que produzimos como resultado é a formação de profissionais éticos, social e ambientalmente responsáveis, capazes de liderar pessoas em organizações de forma sustentável. Assim, vamos compartilhar uma experiência de aprendizagem conduzida por nós com um grupo de gestores que traduziram o que aprenderam em resultados mensuráveis.

O contexto é um Programa de Desenvolvimento Gerencial de 5 encontros (56 horas no total) com o tema “Comprometidos com a Excelência em Gestão”. Seu objetivo foi desenvolver comportamentos, habilidades e atitudes gerenciais que habilitasse os gestores a treinar, desenvolver, avaliar e dar feedback aos seus subordinados em tempo real.

O modelo de aprendizagem, baseado em Andragogia e Teoria dos Grupos, foi utilizado no programa e demonstrou a experiência orientada para o comportamento modificável.

Dentro do Critério Liderança utilizamos uma atividade vivencial em grupo que combina construção de quebra-cabeças e role-play. Nessa atividade é possível comparar dois modelos de atuação do gestor e os resultados obtidos em cada um dos modelos. A turma foi organizada em dois subgrupos que realizaram idêntica tarefa, quatro rodadas de montagem dos quebra-cabeças cada, com tempo cronometrado, porém, usamos a interpretação de dois modelos de gestão diferentes. Vamos chamar de modelo de gestão 1 e modelo de gestão 2.

Começamos com o primeiro subgrupo, dando a tarefa de quebra-cabeça, no qual foi reproduzido o modelo de gestão 1 que possui as seguintes características:

  • Ações direcionadas somente para a
  • Ausência de proposição de metas com a equipe.
  • Pouco contato estabelecido com as pessoas do time.
  • Nenhum treinamento, apenas repasse de informação.
  • Ausência de
  • Avaliação da equipe realizada apenas no final da

Os resultados obtidos com o grupo, usando esse modelo de gestão, estão retratados no gráfico abaixo em azul. (Ilustração 1)

Ilustração 1 – Critério Liderança Fonte: Aplicadores do inventário. Julho de 2009

Os resultados obtidos pela equipe gerida no modelo 1 foram medianos e podemos perceber até mesmo uma redução na 3ª rodada. A equipe estava sem orientação sobre o quê fazer e sem motivação para o porquê fazer. No processamento, os sentimentos referidos pela equipe durante a execução das rodas foram: indiferença, raiva, acomodação, frustração, insegurança. Podemos entender que não só os números são resultados, mas também os sentimentos produzidos na equipe são um resultado da atuação da gestão.

No segundo subgrupo demos a mesma tarefa de quebra-cabeça, e foi reproduzido o modelo de gestão 2 com as seguintes características:

  • Ações direcionadas para tarefas e pessoas.
  • Preocupação com clima da equipe.
  • Proposição e negociação de metas com a equipe.
  • Contato estabelecido com as pessoas do time já no início e frequente.
  • Treinamento específico para a tarefa.
  • Feedback em tempo real.
  • Gestor atuando como lider
  • Avaliação da sua equipe no final de cada etapa com comemoração dos resultados.

Os resultados obtidos com o grupo 2, usando modelo 2 de gestão, estão retratados no gráfico abaixo em vermelho. (Ilustração 2)

Ilustração 2 – Critério Liderança Fonte: Aplicadores do inventário. Julho de 2009

No segundo grupo podemos observar resultados iguais na primeira rodada, porém um crescimento muito significativo já a partir da segunda rodada. A atuação do gestor no modelo 2 como gestor coach se aproxima da equipe com ações simples e uso de ferramentas de gestão, tais como feedback e treinamento. No modelo 2 o gestor passa mais tempo com sua equipe, não apenas fazendo delegação das tarefas, de modo que ele consegue com as habilidades e atitudes gerenciais aprendidas a cooperação para a tarefa. Os comportamentos, habilidades e atitudes aprendidos forneceram recursos para que ele estabelecesse um clima de confiança, dissipasse os temores e outros aspectos emocionais que pudesem interferir na tarefa. No processamento, os sentimentos referidos pela equipe durante a execução das rodadas foram: confiança, motivação, alegria, senso de realização e curiosidade.

Os resultados do segundo grupo são surpreendentes em comparação com o primeiro grupo. E tais resultados foram produzidos em grande parte pelo uso de um modelo de gestão diferente.

Nessa atividade, após vivenciar os dois modelos, e fazer o processamento dos aprendizados, insights e sentimento, uma 5ª rodada foi realizada então com os dois grupos juntos. Nessa 5ª rodada os dois subgrupos estavam sob a liderança do mesmo líder coach que trabalha buscando a excelência em gestão e conseguem a marca dos 58 pontos. É possível observar a comparação dos resultados dos dois modelos de gestão e o que foi obtido com todos juntos no gráfico da Ilustração 3 que compara as duas equipes abaixo. (Ilustração 3)

Ilustração3 – Critério Liderança Fonte: Aplicadores do inventário. Julho de 2009

A evolução dos resultados do gestor com comportamento modificado é significativa e cria um forte impacto na percepção dos participantes. Estes saem da experiência de aprendizagem com o reforço de que vivenciaram uma ferramenta de gestão, aplicável no seu dia-a- dia. A diferença entre os dois traçados representa os ganhos de produtividade obtidos mediante a utilização da ação dos gestores utilizando comportamento modificado pela aprendizagem de novos comportamentos gerenciais. São resultados diretamente observáveis e quantificáveis.

Pela criação de um ambiente de “modelagem‟ de comportamentos adequados, os participantes aprenderam novos conceitos e têm a oportunidade de praticar novas habilidades e comportamentos.

Pelo exame do processo de aquisição do conhecimento, os indivíduos obtiveram insights sobre seu funcionamento e então podem se permitir mudar.

Todo o trabalho foi realizado orientado pelo conhecimento e aplicação da Teoria dos Grupos, da Análise Transacional, Educação de Laboratório obedecendo aos princípios da Andragogia.

A partir da leitura dos processos grupais onde os participantes puderam vivenciar situações assemelhadas do seu dia a dia, analisar e fazer um diagnóstico de sua atuação a partir da vivência pessoal no ambiente protegido de Laboratório em sala de aula, puderam contextualizar suas descobertas e fazer as conexões do que foi aprendido utilizando a autonomia para escolher opções de mudança para nova vivência no seu contexto empresarial.

Nós da SK Aprendizagem podemos oferecer para você e sua equipe uma experiência como essa, através de nossos programas de aprendizagem e educação corporativa.

Carmem Sant’Anna

Posição Existencial em Análise Transacional é um conceito que descreve a forma como a pessoa percebe a si, os outros e como ela se mostra na relação.

Esse conceito é desenvolvido muito cedo na vida de cada ser humano a partir de mensagens parentais e tipos predominantes de toques que recebeu quando criança, quando ainda não tinha recursos de maturidade cognitiva e emocional adequada para esta tarefa.

Como tais decisões permanecem ao longo da vida, todas as pessoas adultas mantêm, em seu repertório comportamental, estas distorções da realidade, de si mesmas e das demais pessoas, que constituem as Posições Existenciais.

As Posições Existenciais podem ser identificadas na linguagem cotidiana por meio de frases e declarações que a pessoa usa para descrever-se, aos outros e ao mundo.

Às vezes manifestando ares de superioridade outras vezes ares de inferioridade, tais como: “sou o máximo”; “comigo ninguém pode”; “sou importante”; ou “sou estúpido”; “não faço nada certo”; “não mereço confiança”.

Ou por vezes declarações endereçadas às demais pessoas: “não dá para confiar em ninguém”; “todos são maus”; “todo mundo é maravilhoso”; “os outros são mais inteligentes do que eu”; “a vida não vale nada”; “não posso esperar nada de ninguém”; “ninguém merece confiança”.

Para facilitar sua identificação, Berne (1988, p. 81-3) considerando as polaridades EU/Outro e OK/Não OK, estabeleceu quatro posições existenciais possíveis, baseadas nas convicções que as pessoas adotam a respeito de si e dos outros.

Qual a importância do conhecimento das Posições Existenciais para o exercício da liderança?

O estudo das Posições Existenciais constitui um instrumento importante para o diagnóstico, análise e previsão de prováveis comportamentos e formas de atuar das pessoas quando em posição de liderança. (Krausz, 1999, p.91)

A partir de quatro estilos básicos de liderança podemos identificar tipos de relacionamentos possíveis entre líder e liderados e o tipo de clima que geram.

  1. Ocupante de posição de liderança – Estilo Integrador

“EU ESTOU OK, VOCÊ ESTÁ OK” (+/+)

Soluciona problemas de forma cooperativa e participativa, compartilha informações e sucessos, contribui para a integração da equipe. Age com equilíbrio emocional, aberto a discussão de ideias. Escuta e analisa.

Gera no grupo um clima: sadio, transparente, aberto para mudanças e aprendizagem. Respeito às pessoas, desobrigado de posição.

“EU ESTOU OK, VOCÊ ESTÁ NÃO-OK” (+/-)

Caracterizado por pessoas que se consideram superiores aos outros. Centralizador, sonega informações, estimula a competição e a falta de confiança entre os membros do grupo aceita apenas as mudanças que tendem a favorecer a sua posição de mando, nepotista, autoritário,  egocêntrico, tem dificuldade em reconhecer a contribuição dos membros do grupo, crítico. Projeta seus erros e falhas nos outros.  Exigente com os subordinados, tolerante com os ‘poderosos’ e aliados.

Gera no grupo um clima: tóxico, de insegurança, falta de confiança, fomenta rivalidades, dependência, intrigas e boatos.

“EU ESTOU NÃO-OK, VOCÊ ESTÁ OK”(-/+)

Tende a ser amistoso, preocupado em agradar as pessoas, tem dificuldade em dizer não a solicitações, evita confrontos, tolerante, sensível a pressões, inseguro na tomada de decisões e resolução de problemas, o que ocasiona procrastinação ou impulsividade, confuso, prefere as atividades rotineiras, pode delegar excessivamente e tem dificuldade de lidar com situações de ambiguidade e incerteza.

Gera no grupo um clima: incerteza em função da falta de definições e de tomadas de decisão a tempo, monotonia, falta de clareza com relação a objetivos, resultados e limites de responsabilidade, prevalecem as rotinas.

“EU ESTOU NÃO-OK / VOCÊ ESTÁ NÃO-OK” (-/-)

Excêntrico, imprevisível, alterna passividade e isolamento com agitação, ações desligadas da realidade e sem objetivo definido. Dificuldade de relacionamento. Raramente encontrado em posição de liderança. Indiferente.

Gera no grupo um clima: Depressivo, negativista, pouco interesse ou iniciativa, indiferente.

Conhecer o tema Posições Existenciais dá subsídios para que a pessoa perceba como comportamentos inconscientes impactam nas relações que estabelece com sua família, amigos e o exercício da liderança.

A boa notícia é que a partir do autoconhecimento e o conhecimento do outro pode fazer escolhas pessoais para atualizar comportamentos que contribuem para desenvolver relacionamentos que convidem as pessoas e grupos a se relacionarem construtivamente.

Para saber mais sobre este conceito e sobre a Análise Transacional aplicada às organizações recomendamos o Curso Introdutório à Análise Transacional o AT-101. Nesse curso os principais conceitos da Análise Transacional são apresentados de maneira dinâmica e prática.

Fonte: KRAUSZ, Rosa R. Trabalhabilidade. São Paulo: Nobel, 1999.

Em muitas equipes de trabalho ter uma equipe que prioriza a inovação é criativa e engajada pode ser um incrível diferencial. Pode significar o sucesso da equipe e mais, pode significar crescimento e satisfação para todos.

Pensar de forma diferenciada e acreditar que pode fazer as coisas diferentes é algo que melhora imensamente o clima de uma equipe e por si só pode trazer senso de realização para as pessoas da equipe. E esse senso de realização, o propósito maior que nos ajuda a ir adiante a cada dia tem feito muita falta ultimamente.

São inúmeras as pessoas, colaboradores e líderes, que se queixam de uma desmotivação esmagadora. O excesso de atividades, reuniões que poderiam ser um e-mail, processos absurdamente mal desenhados, hiper conexão com os mais variados assuntos fazem com que o ambiente de trabalho seja tudo, menos inovador.

Criar um ambiente inovador, entretanto é possível e pode ajudar muito a lidar com esse cenário. Se você é gestor da sua equipe, ou tem aspirações à liderança existem atitudes simples, e desafiadoras que você pode seguir:

1. Permita que os conflitos venham à tona

Talvez seja a mais polêmica dessas atitudes, mas é uma das mais produtivas. Linda Hill, professora da Harvard Business School afirma de maneira direta que a inovação raramente acontece sem conflitos.

Isso significa que a criatividade coletiva precisa de um ambiente no qual as pessoas possam expressar ideias diferentes e ensaiar soluções, se modo a testar suas hipóteses num ambiente seguro.

Uma das maiores ilusões dos novos gestores é acreditar que precisam manter “as coisas no lugar”, quando, na verdade, eles precisam promover um ambiente aberto e inclusivo para que as pessoas expressem suas ideias.

Cabe ao gestor garantir a Permissão para trazer os conflitos à luz e não trabalhar com uma agenda oculta na qual as pessoas agem como é esperado apenas para evitar os conflitos.

2. Encoraje a Autonomia

A Autonomia é uma das mais interessantes e vivas qualidades daqueles que são adultos. Muitos gestores com quem conversamos afirmam que gostariam de ter uma equipe “mais madura”. Mas será que todos conseguem gerenciar essa Autonomia da equipe?

O espaço para gerar Autonomia (veja mais sobre esse conceito da Análise Transacional) pode partir da gestão e será absorvido em graus variados pelas pessoas da equipe. O micro gerenciamento, por exemplo, é o oposto de dar autonomia para que a equipe desenvolva maturidade para realizar e inovar. Apesar disso, ele é uma grande tentação para os gestores em momentos de pressão.

Mesmo quando os processos e políticas de uma empresa estão bem claros, será através da Autonomia que os colaboradores poderão sugerir mudanças e melhorar a forma como as tarefas são feitas. A equipe precisa sentir, para além das palavras escritas na parede, que suas contribuições são importantes.

Ao exercitar a Autonomia sua e da equipe, os gestores podem transformar o ambiente de trabalho e torná-lo aberto à inovação.

3. Invista na diversidade da equipe

Existe uma tendência, muitas vezes imperceptível, de quando somos gestores buscarmos pessoas parecidas conosco para construir a equipe. Isso se reflete nos processos de recrutamento e seleção, tanto internos quanto externos. Há uma sensação de segurança própria de estarmos rodeados de pessoas que pensam parecido conosco e nos são semelhantes.

Para promover a inovação nada pode ser mais pernicioso do que essa homogeneidade. Matthew Syed em seu livro “Ideias Rebeldes – O poder de pensar diferente” demonstra como a falta de diversidade de equipe não só impediu a inovação, mas também gerou desastres. Desde o ataque terrorista às Torres Gêmeas, passando por incidentes de falta de comunicação na escalada do Monte Everest, o autor traz a atenção de que esquipes contratadas, todas com o mesmo padrão sociocultural, tendem a simplesmente não enxergar certos riscos e oportunidades.

Se você quer promover um ambiente inovador em sua equipe invista nessa ideia: pessoas diferentes. Mas diferentes como? A diversidade é justamente isso, a convivência de indivíduos diferentes em relação à etnia, orientação sexual, idade, cultura, gênero trabalhando juntas na mesma equipe.

Essa pode ser uma tarefa especialmente desafiadora, pois existem estruturas sociais que impedem ou dificultam determinados indivíduos a terem acessos a certos espaços. Você como gestor pode iniciar esse movimento sabendo que quanto mais representativa for sua equipe, mais chances você terá de criar um ambiente que de fato favorece a inovação.

4. Não demonize os erros

Por último, não existe inovação sem errar. Se você como gestor agir de forma a perseguir e demonizar os erros ou quem errou as chances serão de inovação zero, pois a equipe não vai desejar se arriscar.

Promover um ambiente aberto no qual os erros possam ser usados como parte do aprendizado é o melhor que o gestor que deseja promover a inovação pode fazer. Isso envolve documentar e comunicar os processos e os erros com a equipe dentro do processo de inovação. Ocultar os erros para supostamente proteger a equipe também não vai contribuir para a inovação.

A maior parte das grandes ideias que surgiram de inovações sofreram inúmeros erros antes de virem a ser sucessos. Costuma-se dizer que o ideal em equipes que trabalham com inovação é errar cedo, errar logo para poder corrigir e aprender com o erro quanto antes.

Um aspecto interessante sobre os erros é que se perdemos o medo de errar, o processo de inovar se acelera e temos menos chance de ser deixados para trás por concorrentes.

Dica bônus

Aqui vai um bônus: O gestor que deseja promover a inovação na sua equipe não deve estar fechado em seu microcosmo da equipe. Seu papel como gestor envolve sempre contato com outras áreas da empresa, com seus pares e com seu próprio gestor. Esse canal de comunicação constante e olhar para fora vai ajudar a alimentar a equipe com informações importantes para manter um ambiente inovador.

SK Aprendizagem

A SK Aprendizagem é formada por Especialistas que acreditam no desenvolvimento humano para alcançar resultados. Possuímos excepcional vivência e experiência de mais de 40 anos no mercado, acolhendo as necessidades de nossos clientes.
Solicitar orçamento

Acompanhe nossas mídias sociais

desenvolvido com coração por evonline SK Aprendizagem © 2024