Artigos

Quando o adulto é aluno?

 

25 de Agosto de 2020

Carmem Maria Sant’Anna

O Autoconceito do aprendiz adulto

A Experiência de dar aula para adultos tem algumas delicadezas que chamam a atenção.

Como dar aulas para o público adulto saindo do paradigma do ensino tradicional?

O adulto tem uma caminhada de vida pela experiência que adquiriu. Cuida de sua família, educa seus filhos. Compra e vende, vota, atua na sociedade como cidadão. Desenvolveu um autoconceito de si mesmo como alguém apto para conduzir sua vida com responsabilidade e autonomia.

No contexto atual cada vez mais as salas de aulas no ambiente corporativo e educação formal são compostas por adultos e profissionais que são público dos programas de T&D, atualização profissional e cursos de novos processos nas empresas.

O que acontece às vezes quando esses adultos são convidados a participar de cursos e treinamentos no papel de aluno? Temos a sensação que em alguns casos eles parecem entrar numa confusão: “Como ser aluno se sou adulto?”. Não nos parece que esse seja um pensamento consciente.  Qual a origem desse pensamento paradoxal?

Em nossa experiência temos notado comportamentos de alguns adultos em sua chegada à sala de aula que nos permitem formular a hipótese de que tem a ver com memórias estressantes de ambientes convencionais em sala de aula, treinamentos e ambientes de aprendizagem onde foram tratados como dependentes ou como crianças.

Atitudes como brincadeiras barulhentas, desorganização ao encontrar um lugar para se sentarem piadinhas e implicâncias com colegas, agitação que parece revelar ansiedade e desconfiança. No primeiro momento dá a impressão de que esses adultos voltaram à sua infância. A pergunta que talvez, sem entender muito bem, queiram responder é: “Como devo me comportar em sala de aula? Como aluno(criança) ou como adulto?”.

Antes de entrarem na sala de aula podem ir com um pensamento: “Acho que vai ser muito chato ficar o dia todo aqui nesse lugar”. Entram apreensivos e encontram um professor fazendo longas exposições de cima de um tablado diante de uma turma de participantes sentadas um atrás do outro. Ou uma vídeo aula composta de intermináveis slides. Pronto! Suas suspeitas se confirmaram! “Vai ser chato”.

O facilitador habilitado a trabalhar com adultos faz um manejo em sala que desconstrói as suspeitas dos alunos a partir de novos paradigmas, levando em conta princípios da Andragogia.

Dicas práticas para ajudar os alunos a se localizarem em sua identidade de adultos:

  • Prepare um clima acolhedor com a sala arrumada em círculo. Primeiro impacto!
  • Respire fundo para baixar sua própria tensão.
  • Receba seus alunos com bom humor e tranquilidade.
  • Fale baixo e pouco.
  • Trate-os com naturalidade reconhecendo que se trata de um momento passageiro.
  • Cumprimente-os com respeito e interesse fazendo perguntas simples para fazer a inclusão deles tais como: “como está chegando?”; “seja bem-vindo!”
  • Demonstre com suas palavras e conduta que os recebe como adultos que são.
  • Construa de forma colaborativa o Contrato de Aprendizagem.

Saiba que com essas estratégias os alunos tenderão a vencer sua ansiedade e você também! A partir daí há alta probabilidade de boas condições para conduzir a aula contando com a colaboração de todos por estarem convencidos de que podem ser alunos e também adultos a partir dos paradigmas da Andragogia.

Gostaria de saber mais como fazer para aplicar os princípios da Andragogia? Venha fazer o curso de Andragogia.

Deixe uma resposta